Criação de Cenário #01 – Vilas e Vilarejos

Um cenário de RPG não começa de um ponto gigantesco até algo pequeno quando se está começando a narrar RPG de mesa. Tudo o que você precisa é de um espaço pequeno para dar início a histórias grandiosas para que a cada sessão narrada para os seus jogadores você possa expandir o seu universo aos poucos e dando forma a ele por meio das ações dos seus jogadores e NPC’s.

Nesta série de artigos eu vou descrever como eu desenvolvi o meu cenário de RPG para que te ajude a desenvolver o seu próprio cenário por meio de passos simples, diretos e que te ajude a preparar algo em pouco tempo tanto para aventuras curtas quando para uma campanha cheia de reviravoltas. Então, sem mais delongas, vamos ver como criar vilas e vilarejos para cenários de RPG.

Faça perguntas para si mesmo

A melhor forma de colocar uma ideia para fora do papel é perguntando para si mesmo coisas que vão te ajudar a estruturar seu planejamento da melhor forma possível. Isso vai te ajudar a compreender a sua ideia inicial e te dará uma noção de onde buscar inspiração. Se tratando de inspiração para criar coisas é importante que você tenha algo que vai te guiar na criação de qualquer coisas dentro e fora do RPG: Referências!!!

Para criar qualquer coisa é importante ter referências de algo parecido com aquilo que você pretende desenvolver. A ideia inicial para desenvolver a ideia vai te guiar para pesquisar coisas que vão complementar o que você pensou. Com isso me vista você pode listar suas perguntas com base no que você pesquisar e, para facilitar, eu elenquei algumas perguntas para te ajudar em seu processo criativo.

Quantas pessoas habitam a vilarejo?

Esta é uma pergunta bastante importante. Um vilarejo de RPG não costuma ter uma população muito grande. É comum que existam poucas casas, um único lugar para fazer compras, uma taverna pequena, talvez um templo religioso. Normalmente não passa de mil pessoas vivendo em um local inicial para uma mesa de RPG em um cenário que está partindo do zero.

Sabendo o número de pessoas é possível imaginar como é que elas interagem entre si, quais são os costumes e a tendência da região, a cultura e quaisquer que sejam os detalhes que você deseja colocar em sua criação. Dentre as pessoas que habitam no local você pode criar algumas que representam o que for de mais importante e isso vermos agora.

Existe algum governante local?

Sim, é possível criar um terra sem lei, mas pensando em algo clássico é importante saber se já algum governante dentro da cidade ou se ela faz parte de algo maior. Se sim, ele pode ter sido eleito, pode ser um governo hereditário ou apenas uma pessoa muito rica que coleta impostos para alguém que está acima dela na hierarquia local.

A figura de um governante de vila é das mais variadas. Podemos partir do princípio de que o governante pode ser verdadeiramente bom para as pessoas e cuida de todos com carinho e atenção, assim como também pode ser um tirano que extorque as pessoas para manter a sua mesa cheia enquanto que as pessoas que lhe servem passam fome. A criatividade fica por sua conta e a forma como as pessoas vivem também é algo importante para guiar a aventura.

Como os habitantes sobrevivem?

O que faz com que um vilarejo seja reconhecido é a atividade econômica que permite que as pessoas tenham comida em suas mesas. As pessoas podem sobreviver, comumente, de atividades rurais como caça, coleta, agricultura, comércio ou, em casos específicos, da própria religião. Dependendo de como for a forma de gerar dinheiro na vila, certas coisas podem ser mais comuns do que outras.

Existe também a possibilidade de que as atividades dos habitantes sejam soturnas, sombrias e um pouco maléficas se você assim desejar. Pessoas que realizam atividades um pouco mais escusas podem sempre conseguir uma forma de acumular riquezas assim como líderes religiosos. Isso nos leva a próxima pergunta.

Existe alguma instituição ou organização relevante?

Um vilarejo em cenários de RPG possuem algum lugar que serve de encontro para as pessoas que ali habitam. Muitas vezes elas podem ser devotas de uma divindade e a organização religiosa de tal deidade é a única instituição relevante do local. É possível também que uma guilda de mercenários seja a responsável por agir a mando de um tirano ou mesmo um grupo de mercadores que possui alguma influência na população local.

Colocar elementos simples para ambientes pequenos pode resolver bem a situação. Uma taverna, um templo, um casarão e um nome resolve a questão das organizações. Uma taverna ou estalagem pode ser o que for necessário para as pessoas do vilarejo. Um templo pode ser uma forma de aproximar as pessoas que são verdadeiramente devotas de um deus e trazer um pouco de harmonia ou caos dependendo de como for o líder religioso. Já o casarão pode ser a residência da pessoa que governa o local.

Depois de definir cada um dos passos acima você terá um local perfeito para começar suas aventuras de RPG. Dar vida a um cenário de RPG é algo que exige bastante dedicação tanto da parte de quem está narrando quanto das pessoas que estão jogando. Uma mesa de RPG, assim como um cenário de RPG, é construída em conjunto. Uma história que possui um começo no qual o meio e o fim são desenvolvidos durante a narração e por meio das rolagens de dados. Saber qual é o local de começo é importante para reunir o grupo que irá se aventurar por um novo universo.

O mundo do RPG é algo muito amplo e todo começo é pequeno. O que vai fazer com que o cenário de RPG se expanda serão os personagens de RPG das pessoas que jogarem e as ideias que vieram de suas fontes de pesquisa para referências. Agora é hora de começar os seus rabiscos e dar vida só seu universo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: